Acne

A acne é uma doença de pele muito comum principalmente nos adolescentes, se manifesta como cravos, espinhas e oleosidade da pele. Pode deixar cicatrizes e manchas se não for corretamente tratada, por isso, seu tratamento deve ser iniciado cedo para prevenir as cicatrizes.

Estima-se que até 90% dos adolescentes tem algum tipo de lesão de acne, uma vez que a doença depende da presença de hormônios sexuais, é geralmente nesta fase da vida em que ela aparece. A acne leva a uma baixa da autoestima em muitas pessoas e até depressão, especialmente nos casos mais graves. A acne não atinge somente os adolescentes, ela pode aparecer também em adultos, principalmente nas mulheres.

Durante este procedimento se observa a contração imediata da pele, como reação do colágeno ao atingir temperaturas superiores a 60 graus, permanecendo assim por até 14 dias. Gradualmente, ocorre uma melhora da região por meio da reposição de neocolágeno e reorganização da derme.

A acne surge por uma associação de fatores:

  • Genética: filhos de pais que tiveram acne têm maior chance de ter acne também.
  • Aumento da produção de sebo pela pele, estimulada pelo hormônio masculino (que as meninas também têm, em menor quantidade).
  • Entupimento dos poros (o chamado folículo piloso) pelas células mortas que não são eliminadas da maneira correta, obstruindo o local de saída da glândula de sebo na pele.
  • Inflamação: o sebo acumulado faz uma irritação das paredes dos poros.
  • Crescimento de bactérias dentro do poro, que se aproveitam do ambiente rico em sebo para se multiplicar.
  • Como saber qual é o seu caso? Um bom diagnóstico é perceber e analisar como a acne aparece e os sintomas que ela causa.

Geralmente a acne se inicia com o aparecimento dos cravos pretos. As lesões dependem da gravidade da doença em cada paciente e podem ser:

  • Cravos pretos (ou abertos);
  • Cravos fechados, que são as bolinhas brancas. Neste caso o poro está fechado e é mais difícil de retirar o cravo;
  • Espinhas vermelhas e inflamadas, com ou sem pus;
  • Cistos, que são também lesões fechadas, porém mais profundas na pele, costumam deixar cicatrizes.

A acne pode ser classificada como:

  • ACNE GRAU I OU COMEDONIANA: Comedões (cravos) abertos e fechados, sem lesões inflamadas (vermelhas);
  • ACNE GRAU II OU INFLAMATÓRIA/PÁPULO-PUSTULOSA: Além dos cravos o paciente tem as espinhas vermelhas ou com pus (chamadas respectivamente de pápulas e pústulas);
  • ACNE GRAU III OU NÓDULO-CÍSTICA: O paciente tem as lesões já citadas e mais os cistos;
  • ACNE GRAU IV OU CONGLOBATA: Aparecem nódulos profundos e abcessos, muito inflamados e que se emendam na profundidade da pele, causando túneis de inflamação em grandes áreas da face. O rosto pode mostrar um aspecto desfigurado;
  • ACNE GRAU V OU FULMINAS: esta é uma forma mais rara onde vemos uma queda do estado geral do paciente, com febre, mal estar, perda de apetite e lesões que podem fazer necrose. Nestes casos é necessária internação hospitalar.

Tratamento

O tratamento vai variar conforme o tipo de lesão e gravidade de cada paciente, os locais do corpo que estão envolvidos e a idade, deve ser mantido até total controle da doença. Nos casos mais leves, as medicações tópicas, como cremes e sabonetes, são suficientes. Usamos medicações para estimular a renovação da pele e não deixar que os poros se entupam novamente, como os derivados do ácido retinóico e ácido salicílico; medicações que diminuam a inflamação da pele como o peróxido de benzoíla e antibióticos para controle das bactérias. Nos casos com lesões mais graves ou já com cicatrizes aparentes, poderá ser necessário o uso de medicações por via oral, como os antibióticos ou a isotretinoína.

Existem tratamentos feitos no consultório médico a fim de melhorar a resposta e acelerar o tratamento, como os peelings químicos, lasers, microagulhamento e LED. As lesões de cisto necessitam de tratamento cirúrgico para remoção. Saiba que cada pessoa responde melhor a um tratamento e por isso pode ser necessário que o médico dermatologista altere o tratamento inicial que foi proposto a você. O tratamento deve ser iniciado o mais cedo possível para prevenir as cicatrizes e manchas e não deixar que a doença afete a autoestima do paciente. Não tenha a postura de que acne “é coisa da idade” e que “vai passar”.